5 dicas para você melhorar a gestão de caixa da sua empresa! 5 dicas para você melhorar a gestão de caixa da sua empresa!

5 dicas para você melhorar a gestão de caixa da sua empresa!

O fluxo de caixa é uma das principais preocupações de um empreendedor, pois está a cargo dele a disponibilização de dinheiro para arcar com as principais despesas do negócio. Isso demanda uma exemplar gestão de caixa, fundamental para a manutenção do negócio e de sua saúde financeira.

Apesar da sua importância, não é nada que reflete grandes dificuldades técnicas. Trata-se, antes de qualquer coisa, de hábitos e princípios a serem inseridos na rotina do negócio, que podem se tornar intuitivos com o passar do tempo se devidamente aplicados, e com resultados desejados por qualquer empresa que busque atuar de forma perene no mercado.

Quer saber quais são as 5 principais dicas para uma gestão de caixa eficiente? Continue a sua leitura e saiba quais são e como incorporá-las à sua empresa. Confira!

1. Separe a sua renda do caixa da sua empresa

Essa é uma das dicas mais óbvias e batidas, mas por ser comumente deixada de lado, ela também está na nossa lista. A confusão entre o patrimônio da empresa e seu proprietário ou sócios constitui um dos principais obstáculos para a gestão de caixa, e pode gerar grande prejuízo para uma empresa.

Mesmo que não possa ser considerado um empregado propriamente, o ideal é que o dono e/ou os sócios do negócio sejam remunerados pelo trabalho que eventualmente desenvolvam junto à empresa e pela divisão de lucros a que tenham direito, sem que isso afete o fluxo de caixa da empresa. Isso significa que retirar dinheiro do caixa para despesas pessoais deve ser algo fora de cogitação!

2. Tenha pleno controle sobre o fluxo de caixa

A dica anterior é uma forma de aplicação do controle sobre o fluxo de caixa, no sentido de impedir que ele seja usado para fins diversos aos quais se destina. Mas o conceito de controle vai além disso, e passa por um amplo conhecimento sobre as finanças do negócio, faturamento e despesas relacionadas.

Uma das principais tarefas para que se consiga esse controle é registrar todas as entradas e saídas, independente do valor. Isso fará com que você saiba qual o destino do seu dinheiro, bem como o impacto das pequenas saídas quando somadas.

Pode ser que ao exercer esse controle, você identifique despesas desnecessárias que não ofereçam nenhum retorno ao seu negócio, e as cortar poderá, em menor ou maior prazo, impactar positivamente o seu fluxo de caixa. Você também conseguirá identificar quais atividades geram maior retorno para a empresa, e quais são os produtos e serviços mais demandados pela sua clientela.

3. Crie categorias de entradas e saídas

Ainda para facilitar o controle sobre o fluxo de caixa, crie categorias que ofereçam mais referências que simplesmente registrar entradas e saídas. Você pode categorizar as saídas como despesas fixas, variáveis e extraordinárias, e as entradas de acordo com os tipos de produtos ou serviços que as propiciaram.

Essa medida dará previsibilidade ao seu negócio, permitindo ainda que sejam feitas projeções mais realistas para o planejamento financeiro da empresa, bem como que se tome decisões mais acertadas sobre o futuro do negócio. Tornar possível saber qual é a origem das receitas, e o destino dos gastos de forma exata, é uma das principais formas de se criar uma boa gestão de caixa.

4. Controle a inadimplência

A razão de controlar a inadimplência é, quando possível, evitar essa realidade, seja em relação à dos clientes, seja a da empresa em relação a fornecedores e locadores. Quando ela é verificada, a empresa enquanto credora deve buscar meios de receber os valores devidos por seus clientes.

Em muitos negócios, os pagamentos a prazo são inevitáveis, e isso faz com que esse acompanhamento deva ser parte indispensável do dia a dia da empresa. Buscar formas de negociar e facilitar os pagamentos é uma forma de possibilitar que esses valores ingressem no caixa de modo mais rápido, e sem gerar maiores gastos e desgastes, como com a reiteração da cobrança, inclusão do nome do devedor nos serviços de proteção ao crédito e, até mesmo, uma possível ação judicial.

De qualquer forma, durante a cobrança, os expedientes utilizados não podem ser considerados abusivos, de forma a violar a dignidade do devedor, o que poderia inclusive dar a ele o direito de ingressar com uma ação judicial na qual requeira indenização por danos morais. A cobrança deve ser feita sempre de forma amigável!

Já em relação aos seus credores, a negociação para obter condições mais benéficas para o pagamento demonstra boa-fé e interesse em deixar de ser inadimplente. Esse é um bom sinal para o credor, que poderá concordar em alterar as condições para facilitar o seu pagamento, o que pelos mesmos motivos já apontados, também será vantajoso para ele.

5. Desbloqueie seus bens

Quando a inadimplência se torna uma realidade para a empresa, qualquer bem que integre o seu patrimônio pode vir a ser bloqueado pelo poder judiciário, inclusive valores pertencentes ao caixa. A razão pode ser a cobrança judicial feita por um fornecedor, ações trabalhistas em que figure no polo passivo ou mesmo execuções fiscais ocasionadas pelo não recolhimento de tributos.

Esse bloqueio pode impedir a continuidade da empresa de forma repentina, pois possivelmente comprometerá até mesmo o pagamento da folha de funcionários no mês posterior à medida, tornando inviável a continuidade da atividade desenvolvida.

Essa medida também compromete o crédito da empresa, que poderá enfrentar dificuldades para conseguir empréstimos. Mas não se trata de uma medida irreversível, e uma das alternativas para desbloquear os valores é por meio da substituição pela apólice do seguro garantia judicial.

Os valores ou bens bloqueados servem para garantir o pagamento da eventual condenação judicial, e a substituição se prestaria a garantir esse pagamento de forma menos onerosa para a empresa, que teria de volta os valores antes bloqueados por decisão do judiciário.

Para isso, é necessário demonstrar a necessidade da substituição, que pode se justificar por ser a única forma de se fazer o pagamento da folha de funcionários, fornecedores ou do aluguel do imóvel em que a empresa esteja instalada. Para isso, contar com uma empresa que tenha ampla experiência na emissão desse tipo de apólice é um diferencial que pode fazer toda a diferença no deferimento do pedido!

Gostou das nossas dicas para a gestão de caixa? Confira também como aumentar a sua produtividade com o seguro garantia para adiantamento de pagamento!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.