Como reduzir a necessidade de capital de giro e equilibrar a empresa Como reduzir a necessidade de capital de giro e equilibrar a empresa
saibacomoreduziranecessidadedecapitaldegiroeequilibraraempresa

Saiba como reduzir a necessidade de capital de giro e equilibrar a empresa

Empreendedores e gestores sempre devem ter grande empenho para adotar estratégias que ajudem a diminuir a necessidade de capital de giro da empresa. Para alcançar esse objetivo, é preciso saber como colocar tais estratégias em prática. Mas afinal, o que é capital de giro?

O capital de giro é uma das bases fundamentais que mantêm o funcionamento do negócio. Porém, apenas uma pequena parte dos empreendedores fazem o controle adequado do capital e suas alavancas, o que pode trazer significativos impactos negativos.

Quer entender tudo sobre a necessidade de capital de giro? Confira nossas dicas a seguir!

Mas afinal, como entender a Necessidade de Capital de Giro da empresa?

Em primeiro lugar, é preciso compreender com clareza no que consiste e como medir a Necessidade de Capital de Giro do negócio.

O conceito dessa expressão é a quantidade de capital necessária para financiar as operações promovidas no dia a dia da empresa. Ou seja, trata-se do montante necessário para arcar com todas as despesas do empreendimento e mantê-lo em funcionamento.

Diversas variáveis financeiras podem entrar na métrica do capital de giro, tais quais: valores a receber por meio de vendas à vista ou a prazo, valor disponível em caixa, estoques de matéria prima ou produtos — que compreendem o Ativo Circulante — bem como, pagamentos que devem ser feitos a fornecedores, tributos e despesas a pagar — correspondentes ao Passivo Circulante.

Para se apurar a necessidade de capital de giro, basta obter a diferença entre o Ativo e o Passivo Circulante da empresa. O resultado permite saber quanto é preciso ter em caixa par arcar com todos os gastos do negócio sem a necessidade de se fazer novos aportes.

Vale lembrar que é importante sempre tentar reduzir essa necessidade de capital, a fim de deixar a saúde financeira da empresa equilibrada. Alguns controles e rotinas de gestão em contas com impacto financeiro podem ser implementados para facilitar o mapeamento estruturado e atualizado da necessidade de capital de giro, assim viabilizando a otimização de tal balanceamento.

Quer conhecer as melhores dicas para reduzir a necessidade de capital de giro em seu negócio e equilibrar gastos? Confira a seguir!

Descubra as melhores práticas para reduzir a Necessidade de Capital de Giro na empresa

Planeje e realize pagamentos a fornecedores

Negociar prazos é a primeira etapa para se atingir um ciclo financeiro saudável. Afinal, quem realiza pagamentos a fornecedores com muita rapidez fica com valores em caixa por menores períodos de tempo.

Postergar os pagamentos por alguns dias ou semanas é uma ótima solução, pois permitirá que o negócio tenha dinheiro por mais tempo em vez de imobilizar o capital na forma de produtos em estoque. Outra dica é evitar fazer compras em larga escala à vista sem antes verificar sua viabilidade, ainda que os descontos sejam muito atrativos.

Afinal, é possível que o empreendimento não consiga vender as mercadorias ou serviços rapidamente. Isso também pode gerar a imobilização do capital como estoque.

Portanto, é fundamental tentar desenvolver uma relação próxima com seus fornecedores para conseguir estender e negociar prazos.

Tente reduzir os prazos de recebimento das mercadorias e serviços

O próximo passo para reduzir a necessidade de capital de giro é por meio da diminuição do prazo para pagamento e parcelamentos pelos clientes. Isso pode ser feito por meio de incentivos para que eles priorizem métodos de adimplemento à vista.

Não se trata de uma tarefa fácil, especialmente em momentos críticos nos quais o poder de compra da sociedade encontra-se mais reduzido. Porém, existem alternativas que podem viabilizar a redução do financiamento de vendas de maneira amigável.

Uma boa dica é apostar em prazos de recebimentos mais céleres e outros incentivos para aqueles que optarem por pagamentos à vista, como programas de bonificação e fidelidade, entre outros. Assim, o cliente se sentirá motivado, e não compelido a optar pelo pagamento imediato.

Otimize o estoque e aposte em menores períodos de armazenamento

Outra dica essencial para a saúde financeira do empreendimento quanto à maior disponibilidade de capital de giro é fazer uma boa gestão do estoque.

Isso porque as mercadorias paradas em estoque representam valores estagnados, sejam elas matérias primas ou produtos finais. Por essa razão destacamos na primeira dica que não vale a pena confiar instintivamente em descontos de fornecedores para grandes compras se tais mercadorias forem ficar paradas em estoque.

A falta de planejamento nesse sentido pode, inclusive, resultar em deterioração e perdas de produtos. Por isso, é melhor adquirir menos mercadorias se o empreendimento não tiver capital de giro suficiente para justificar compras adicionais.

Portanto, é preciso que o estoque do negócio seja sempre monitorado e gerenciado de maneira eficiente! Assim sobra dinheiro para ser investido, aplicado ou até mesmo utilizado no pagamento de contas.

Aposte em ferramentas para aumentar a disponibilidade de valores em caixa

O ciclo financeiro de uma empresa tem seu encerramento marcado pela entrada de lucros em caixa. Portanto, a redução da necessidade de capital de giro do negócio também deve perpassar essa etapa.

A melhor estratégia para aumentar a disponibilidade de valores em caixa consiste em tentar ao máximo adiantar o final do ciclo e buscar maneiras de fazer com que o dinheiro entre mais rapidamente nas contas da empresa.

Algumas ideias para reduzir o tempo de espera entre a venda do produto ou serviço e o pagamento por parte dos clientes são: oferecer descontos para pagamentos à vista e em dinheiro, estimular a realização de pagamentos por meio de cartão de débito e pela via de transferência bancária, reduzir o número de parcelas para compras à prazo, adiantar recebíveis, entre outras medidas já vistas nos itens anteriores.

Quais são as consequências de não se fazer um controle da Necessidade de Capital de Giro?

Alguns gestores decidem realizar o cálculo da necessidade de capital de giro e acabam se assustando com os resultados, passando a acreditar que estão utilizando metodologias erradas ou inadequadas para o crescimento do negócio. Nesse momento, decidem abandonar essa estratégia de controle.

Porém, a falta de controle sobre a necessidade de capital de giro e aumento dessa métrica pode resultar em impactos bastante prejudiciais ao negócio: situações de déficit, aumento de despesas com pagamento de jutos, riscos financeiros e de falência do negócio, entre outras consequências negativas.

Desse modo, administrar adequadamente a necessidade de capital de giro é tarefa que deve ser realizada de maneira constante e contínua, a fim de manter o fluxo de caixa em condições financeiras saudáveis! Isso vale principalmente para aquelas empresas que atuam em ramos do mercado com margens baixas e não podem financiar seus clientes.

Gostou? Que tal compartilhar essas informações em suas redes sociais e mostrar que seu negócio está em dia com as melhores práticas em redução de riscos e saúde financeira?

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.