Você sabe o que é análise de risco em seguros? Descubra agora! Você sabe o que é análise de risco em seguros? Descubra agora!
vocesabeoqueeanalisederiscoemsegurosdescubraagora

Você sabe o que é análise de risco em seguros? Descubra agora!

A análise para a contratação de um seguro está diretamente relacionada à abrangência da cobertura, bem como à probabilidade de se verificar tais riscos, que são futuros e incertos. A aleatoriedade desse tipo de contrato, ou seja, a possibilidade de acontecer ou não o sinistro, é o que permite a sustentabilidade das seguradoras, por isso você deve saber o que é análise de risco.

Se para a seguradora é melhor que o risco não se verifique, ou que seja avaliado como baixo; para o contratante, independente do cenário, a apólice serve como uma garantia de tranquilidade. Mesmo que não possa ser considerado um investimento, em sentido estrito, o seguro servirá como uma forma de blindagem patrimonial, apto a preservar as conquistas alcançadas ao longo da vida.

Quer saber mais sobre o que é análise de risco em seguros? Continue a sua leitura e veja aquilo que é considerado antes da contratação. Confira!

Como funciona a análise de risco em seguros?

Análise de risco é a verificação minuciosa que a seguradora faz para determinar estatisticamente qual a probabilidade de determinado sinistro acontecer com o potencial segurado, antes que seja emitida a apólice. Ela pode, inclusive, se recusar a fazer a contratação, caso verifique que a probabilidade é demasiada alta.

Quando a seguradora aceita cobrir um risco elevado, o reflexo é sobre o valor da apólice, que será mais cara. Diversas questões influenciam nessa avaliação, razão pela qual ela deve ser feita de forma individualizada, para que se obtenham informações precisas sobre o perfil do segurado.

Como é feita a análise de riscos?

A análise é realizada por meio de um questionário que será preenchido pelo segurado, no qual ele prestará diversas informações pessoais e sobre seus hábitos. O questionário deverá ser preenchido de forma fidedigna, pois ao se omitir uma informação sobre a qual se tinha conhecimento, ou mentir com o objetivo de baratear a apólice, se comprovada a má-fé, poderá ser excluída a obrigação da seguradora em indenizar o segurado.

Ou seja, ao prestar informações, o potencial segurado não pode fazer uso de expedientes duvidosos para fins de barateamento da apólice, ou para que não lhe seja negada a emissão desta. Contratar um seguro dessa forma desvirtua sua finalidade, pois o segurado não terá proteção alguma caso se verifique que agiu de forma inadequada ao responder o questionário.

A idade influencia?

Sem dúvidas a faixa etária é o primeiro quesito que será avaliado, e pode refletir de diferentes formas, de acordo com a modalidade de seguro e tipos de coberturas. O seguro de vida, por exemplo, será mais caro para quem for mais velho, e poderá ser inclusive recusado em razão da idade avançada.

Isso porque de acordo com a faixa etária, há maior probabilidade de acontecer o agravamento ou de se contrair doenças, além da inevitabilidade do óbito, que acontecerá em algum momento.

Já no seguro automotivo, quanto mais novo for o segurado, mais cara será a apólice. Isso porque quanto maior a experiência no trânsito, menores serão os riscos aos quais o condutor estará submetido e, como a incidência de sinistros é menor, o valor da contratação será mais barata.

Mas outros fatores são analisados concomitantemente, e podem subverter essa lógica. Por exemplo, um motorista com 40 anos de idade e mais de 20 anos de habilitação, que se envolve em acidentes de trânsito com frequência, poderá ter sua apólice avaliada em valor superior à de alguém que acabou de obter a sua CNH (Carteira Nacional de Habilitação).

O gênero também impacta na avaliação?

Sim! Apesar de se ter a ideia equivocada de que mulheres são ruins na condução de veículos, os fatos apontam em sentido contrário, visto que estatisticamente o número de mulheres envolvidas em acidentes de trânsito é menor que o de homens que se acidentam na condução de veículos automotores. Por essa razão, o valor do seguro automotivo para um veículo que tem como condutor principal uma mulher é reduzido, em comparação com o sexo masculino.

O seguro de vida também serve de parâmetro para essa comparação, pois é notório que mulheres são mais cuidadosas com a própria saúde, e se submetem a exames com mais frequência que os homens. No entanto, há um número maior de doenças que incidem sobre o sexo feminino, e a avaliação do estado clínico, que é feita sempre de forma individualizada, pode tirar essa vantagem delas.

O estado civil será avaliado?

O estado civil serve como base para que se saiba como é o estilo de vida da pessoa, pois se tem a ideia de que casados se expõem a menos situações de risco que solteiros. A vida social mais agitada dos solteiros também encarece a apólice para pessoas desse perfil.

Quais hábitos influenciam na apólice?

Além da vida social agitada, como mencionado, e que a rigor implica em noites mal dormidas e consumo de álcool, o tabagismo também tem forte influência na análise de risco do seguro.

A prática de esportes também impacta a avaliação, e torna a contratação mais barata para os esportistas e mais cara para os sedentários. Mas o tipo de esporte também é levado em consideração, pois algumas modalidades esportivas geram riscos para seus praticantes, como o paraquedismo e o alpinismo.

Quanto mais saudáveis os hábitos, e quanto menos riscos eles implicarem, menor será o valor da contratação.

A profissão gera reflexos na análise de risco?

É um dos principais fatores que serão analisados, e as atividades de risco, como trabalhadores da área de segurança, terão apólices mais caras. Atividades com alto risco de acidentes, como o trabalho na construção civil, influenciarão diretamente na análise de riscos e no valor da apólice, dada a maior probabilidade de sinistros.

Ainda assim, é uma medida de planejamento financeiro e precaução contar com uma apólice que proteja você e seus familiares. A blindagem patrimonial, e a segurança de se saber que se algum problema acontecer, será possível remediar sem que isso seja muito complicado, tornam a contratação de um seguro algo cada vez mais comum em nosso país.

Agora que você já sabe o que é análise de risco, como ela é feita e o que é levado em consideração, entre em contato conosco!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.